9 de jul de 2011

Casamento honesto

Escrevi este texto há alguns meses. Ele foi baseado nas minhas experiências e na observação dos relacionamentos de outros casais. Resolvi postar somente agora por saber que não serei mal interpretada.
Estou sempre preocudapa em não afetar negativamente a vida das pessoas que me rodeiam, pois isso certamente afetaria negativamente a minha vida também.


Casamento honesto

A meu ver, a maioria dos relacionamentos tem prazo de validade e isso não é levado em conta devido a uma série de condutas
impostas pela sociedade e pelas religiões. Não tenho nada contra nenhuma religião, mas penso que existem muitas coisas que não “casam” com a realidade.
Encontro-me mais uma vez, viajando na maionese, como gosto de fazer.
Deixando um pouco de lado a parte religiosa e analisando como se comportam as pessoas, penso que seria bem interessante, se nos casamentos já estivesse convencionado que a cada seis anos, os dois teriam a opção de decidir, se querem ou não continuar com a união. No caso de um dos dois decidir pela separação, isso não causaria grandes traumas ou mágoas, por se tratar de uma probabilidade.
Existindo esta possibilidade acredito até que haveria mais verdade e honestidade nos relacionamentos. A cada seis anos os casais parariam para analisar como estão suas vidas e perguntariam a si mesmos se está tudo bem, se estão felizes ou se desejam mudar o rumo da sua vida.
Pelo que observo, vejo que existem inúmeros motivos para muitos casais permanecerem juntos sem que isso seja seu real desejo, e estas pessoas passam a viver como mortos vivos ou enredados em vidas duplas cheias de mentiras, traições e falsidades.
Não seria melhor, menos complicado e menos doloroso, se houvesse uma oportunidade, que auxiliasse algumas pessoas a serem francos com seus parceiros e até com elas próprias?
Claro que esta minha idéia pode estar cheia de defeitos e até mesmo chocar muitas pessoas, principalmente aquelas que estão firmemente ligadas a sua religião, mas penso nela da forma mais positiva possível.
Penso muitas coisas sobre muitas religiões, mas jamais me manifestaria aqui por saber que é uma questão delicada e muito pessoal, cada um tem seus motivos para seguir determinado caminho e nenhum deles é totalmente certo ou errado, todas as religiões levam ao mesmo lugar e acho que nenhuma é perfeita assim como é tudo por aqui.
Voltando ao tema. Sempre fui eu que tomei a decisão para terminar meus relacionamentos e não estou dizendo isso para me gabar, porque concluir que tudo terminou e tomar uma deliberação destas é extremamente doloroso também.
Sou muito sonhadora, mas tenho meus pés bem presos ao chão e não consigo fugir da realidade, mesmo que esta seja muito dura. Por ser muito sensível e intuitiva, percebo quando não estou agradando, sei exatamente o que cada pessoa pensa a meu respeito e sei também quando é chegada a hora de me retirar. Apesar de frágil, sou uma mulher corajosa e decidida, e prefiro tomar a iniciativa para evitar decepções e sofrimentos desnecessários.
Agindo desta forma, sei que estou evitando conseqüências desgradávei que só serviriam para ferir terrivelmente meus sentimentos e afetar negativamente a minha vida e a dos demais.
Cada pessoa que cruza nosso caminho nos traz alguma lição e com cada uma delas aprendemos mais algumas coisas, e apesar de todas as possíveis desilusões e desgostos é necessário se relacionar sempre, nossa evolução depende disso.
Acredito nisso, mas não quero mais colocar em prática, pelo menos por enquanto estou decidida a viver comigo mesma e com meus bichos pelo resto da minha vida.
Esta última frase ficou bem estranha!
O texto acima é de minha autoria.

Gostaria de ler algumas idéias interessantes?
Então passe no link abaixo e não deixe de ler também os comentários, são muito válidos.

4 comentários:

  1. Oi Cris acho que em certas partes você tem razão pois vários casamentos vivem de aparência então temos que jogar limpo com nosso parceiro e sempre conversar, ver o que esta errado, tentar se colocar no lugar do outro, a amar, pois viver a dois é muito difícil, se não houver amor, na primeira dificuldade jogamos tudo para o alto. Penso que mesmo que não queira logo estará apaixonada novamente e deve tentar de novo e que seja eterno enquanto dure, pois viver sozinha é muito ruim, mas também viver com alguém e não estar feliz é pior ainda, e que seja eterno enquanto dure. Uma semana antes do meu casamento uma Senhora me trouxe um presente e me disse "Olha filha o segredo do casamento é relevar", mas sinceramente não pensei que tivesse que relevar tanto, rsrsrs, mas enquanto houver amor, vale a pena, mas a partir do momento que traz sofrimento, o melhor mesmo é cair fora. Estou aguardando o tema gravidez e fibromialgia hen, beijos amiga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sandra.
      Só mesmo com amor é possível relevar! Na verdade precisamos relevar em todo tipo de relacionamento (amigos, etc...), mas no casamento isso é mais frequente, pois a convivência é dioturna. Agora como parece que estou "voltando" não deixarei de atender seu pedido.
      Obrigada por comentar.
      Mil bjs

      Excluir
  2. Oi Cristina!
    Esbarrei em seu blog por acaso. Rsrs
    Você tem um nome bonito, que soa alegria, beleza, amizade!
    Mas observando o seu blog, tive uma impressão ruim! Me perdoe a franqueza!
    Eu sei, todos nos temos problemas... experiências boas e ruins ao logo da vida...
    Você me parece ser uma pessoa honesta, verdadeira. Porém uma pessoa amarga, negativa, melancólica... mais uma vez me perdoe a franqueza!
    Sobe o seu tópico “casamento honesto” não gostei de como você expôs sua opinião, seu ponto de vista!
    Sua colocação:”... a cada seis anos, os dois teriam a opção de decidir, se querem ou não continuar com a união...”
    Sua colocação é egoísta e insensível. Você só se refere aos dois; homem e mulher. Geralmente todo casal tem filhos e isto você não fez sua observação! Filho, filha tem que ter atenção, carinho, auxilio dos pais ao longo da vivencia!...
    Convivi com minha primeira companheira 12 años. Após 5 anos juntos, tivemos um filho adotivo e nos dedicamos muito a ele. Porém quando ele completou seis anos, me vi obrigado a me separar da companheira...mas, meu filho até hoje eu me dedico com amor e alegria. Foi nossa escolha, nossa responsabilidade que abraçamos e honramos!...
    Olha, tenho um amigo que ele (http://www.facebook.com/paulo.torres.7792052) foi saudável por muitos anos. Mas, quando chegou na casa dos trinta ele sofreu um acidente de transito (foi taxista) ficou com problema na coluna e passou a ser uma pessoa meio amargo, revoltado com a vida... Ele faz quase tudo que fazia antes do acidente, anda, nada, trabalha... ele mui carismático, honesto, trabalhador!...
    Me veja como amigo. Pare de ficar “viajando na maionese” e de um lida neste livro: http://www.livrariaresposta.com.br/v2/produto.php?id=6430

    Agradeço a oportunidade.
    Um abraço
    Que a Luz do Pai Eterno te banhe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Daron.
      Vc é muito observador!
      É verdade! Este lado amargo, negativo e melancólico existe em mim sim. A maioria dos textos que escrevo, são sobre os problemas de saúde que me incomodam, que o próprio nome do blog revela, eles mostram as dificuldades de quem vive sob a influência destes males e por isso, são como são... Tristes e amargos.
      Quando escrevi esta postagem sabia que poderia ser criticada e acho isso normal, pois é um tema complicado e muito pessoal. Sou filha de pais separados e sofri muito em razão dos desentendimentos entre eles. Dos oito aos doze anos minha vida virou um caos, na pior fase perdi o ano escolar e só consegui seguir em frente depois que tudo se acalmou.
      Somente as pessoas que passaram por uma experiência como esta podem entender minha posição. Muitas vezes a separação é inevitável, sendo assim, os pais deveriam resolver tudo da forma mais rápida possível para não prejudicar seus filhos. No meu caso, preferia ter meus pais separados e ver tudo tranquilo, ao invés de viver em um meio agressivo.
      Penso na questão da avaliação do casamento a cada seis anos, exatamente para diminuir o sofrimento da família e isso inclui os filhos do casal. De que adianta uma criança ter seu pai e sua mãe juntos vivendo com desentendimento e sofrimento. Não seria melhor para esta criança ver seus pais separados e em harmonia?
      Minha ideia de avaliar o casamento a cada seis anos, não seria para que os casais se separassem depois de passados seis anos, seria para analisarem em como anda este casamento e criar um diálogo sobre a questão. Seria para “abrir seus olhos”, para melhorar o que não anda bem, ou para constatarem que está tudo bem, ou então, se não há solução para algum problema, optarem por uma separação e abreviar sofrimentos desnecessários para todos. É isso.
      Obrigada pela sugestão do livro! Eu amo a Louise L. Hay e tenho alguns livros dela! Um dia farei uma postagem exclusiva para ela!
      Obrigada por comentar. Abraços

      Excluir

Gostou do que viu aqui?
Deixe seu comentário.
Responderei assim que possível.
E não esqueça de recomendar aos seus amigos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...